DESCOBRINDO A ITÁLIA – UVA PRIMITIVO

DESCOBRINDO A ITÁLIA - UVA PRIMITIVO

O termo “Primitivo”, nome desta uva, está relacionado ao tempo de colheita. Ela é uma casta que amadurece precoce, em meados de agosto, antes de outras uvas tintas.

Devido ao seu tempo de amadurecimento, esta uva tem grande quantidade de açúcar residual, resultando em vinhos com alto teor alcoólico. Ela é conhecida por produzir vinhos mais robustos e ricos em taninos.

Os primeiros documentos desta extraordinária cúpula datam da segunda metade de 1700, quando um homem da igreja, Don Fancesco Filippo Indelicati, primitivo da igreja de Gioia del Colle, notou que entre muitas trepadeiras que eram usadas para cultivar em suas vinhas, havia um que atingiu a maturidade antes dos outros e deu uma uva particularmente preta, doce e saborosa que poderia ser colhida em agosto. Entretanto, sua história ainda não é confirmada, mas alguns estudiosos acreditam que ela tenha se originado anteriormente. Existem algumas evidências da comercialização de vinhos com esta casta no ano 1400. Também existe outra teoria: a Crljenak kaštelanski, uma antiga variedade da Croácia, da qual as duas descendem.

Na região da Puglia existem cerda de 17.983 ha quantidade que aumentou consideravelmente nos últimos dez anos, em cerca de 40%. A Primitivo tinha registrado anteriormente um período de baixa, devido a algumas normas da União Europeia para desarraigar vinhas.

A Primitivo, não é uma uva de fácil cultivo. O tamanho dos azulados bagos varia muito (geralmente, não são muito grandes), inclusive em um mesmo cacho. Além disso, amadurecem precocemente.  É necessária certa experiência para lidar com o amadurecimento dessa cepa, nessas condições. Sua característica mais problemática é sua tendência a amadurecer muito rapidamente: às vezes um atraso de apenas alguns dias na colheita levará a uvas murchas com uma rápida perda de acidez e sabores frescos. O envelhecimento em barris de carvalho ajuda o Primitivo a obter uma cor estável e, acima de tudo, suaviza os excessivos taninos que por vezes surgem num vinho jovem.

Quais as diferenças entre as castas Primitivo e Zinfandel?

O que muda de uma para outra é o terroir, as características de clima e solo de cada região em que são cultivadas. Por essas influências, um vinho Zinfandel elaborado nos EUA geralmente é muito bem ajustado e balanceado, com taninos marcantes e aromas frutados e na boca e ligeiramente doces. Já um exemplar da Itália (Região da Puglia) tende a ter aromas e sabores que carregam notas de frutas silvestres, especiarias e notas herbáceas. Em geral, estes vinhos são e com teor alcoólico elevado, encorpados e com leve “dulçor” ( vinhos com dulçor não significa vinhos doces mas vinhos secos). Além das características do local onde o vinho é produzido – seu terroir –, podemos dizer que o produtor é extremamente importante para gerar bons vinhos Primitivos.

O que é Primitivo Del Salento?

Primitivo Del Salento é um IGT (Indicazione geografica tipica) de Salento. A região está localizada em Puglia, na Itália. O terroir de Salento é quente e seco, com exceção de áreas mais próximas ao mar.

Salento fica na região mais ao sudeste de Puglia. Ela é conhecida por fazer maiores experimentações com seus vinhos, já que está longe das zonas de crescimento de Puglia. Ela está dividida em três províncias: Taranto, Brindisi e Lecce.

Os vinhos produzidos nesta denominação de origem costumam ter taninos muito presentes, característico da uva Primitivo. Também tem sabor marcante, com notas de frutas vermelhas e negras, coloração intensa e grande complexidade aromática. Além disso, o Conselho Regulador.

Primitivo di Puglia  ou Primitivo Del Salento? O que escolher?

Como dica, é melhor optar por um Primitivo Del Salento pois, como dito, não é uma planta produtiva, e nas melhores áreas de cultivo seu rendimento médio é constantemente inferior aos 9.000 kg de uvas por hectare permitidos pelos regulamentos. Quando falamos em Primitivo di Puglia, não existe esse tipo de regulação.

Sua característica mais problemática é sua tendência a amadurecer muito rapidamente: às vezes um atraso de apenas alguns dias na colheita levará a uvas murchas com uma rápida perda de acidez e sabores frescos.

Exemplo de um Excelente Primitivo Del Salento:

Com videiras plantadas em Alberello, o Primitivo Del Salento Tacco Barocco tem sua colheita no final de Agosto e refina em barricas por 12 – 14 meses. Sua produção de uvas por Há é de 8.000 kg. Assim, temos um vinho com uma Cor vermelha rubi, intensa e densa com um sabor tânico intenso mas equilibrado. No nariz é complexo apresentando aromas de amora, morango e cereja passas que dominam a taça, ganhando notas de chocolates e castanhas conforme o vinho vai se abrindo. No paladar imprime notas picantes espalhando frutas maduras suculentas por toda a boca com notas de chocolate no final mostrando todo o calor da Puglia.

Por que vinhos tendo como base a uva Primitivo estão ganhando o Brasil?

Ela é a uva ideal para o paladar sul-americano, principalmente o brasileiro, que está acostumado com os vinhos frutados e concentrados da América Latina. Frutados, aromáticos com bastante açúcar residual, típico de regiões quentes, os vinhos Primitivo têm sido a escolha óbvia para os apreciadores que estão dando os seus primeiros passos no Velho Mundo do Vinho.

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br

Não deixe de Participar do nosso Clube de Vinhos: www.clubevines.com.br /                     Clube Vines – Onde Comprar Vinho é Mais Gostoso!

Anúncios

DESCOBRINDO A ITÁLIA – UVA SAGRANTINO!

SAGRANTINO DI MONTEFALCO - POZZO DEL CURATO

Com origem na região da Umbria, que fica bem no centro do país (praticamente o “joelho da bota”), essa variedade é cultivada, principalmente, aos arredores na vila de Montefalco.

Seu nome possui origens religiosas, ou seja, a uva Sagrantino foi cultivada durante muito tempo por monges e era utilizada na produção dos vinhos consumidos nos Sacramentos – “sacro” em latim significa “aquilo que é sagrado”.

A Sagrantino é uma é cepa de bagas e uvas pequenas, mas de pele grossa e grande acidez. Na verdade, a Sagrantino é a uva mais tânica entre todas as uvas italianas, sendo uma das uvas mais tânicas, dentre todas as variedades conhecidas no mundo. A quantidade de polifenóis é cerca de três vezes mais do que a Cabernet Sauvignon – 7 gramas por litro.

Em 1991, ninguém sabia sobre Sagrantino pois foi quase extinta na década de 60. Não havia mais do que 60 hectares de Sagrantino que sobreviviam por ali. “Hoje deve haver cerca de 1.500”, garante. Mas essa uva também produz os doces e maravilhosos Sagrantino di Montefalco Passito. Aliás, os vinhos produzidos com Sagrantino, originalmente, eram sempre vinhos de sobremesa. Esse é um quadro que foi modificado somente de algumas décadas para cá. Atualmente, os vinhos mais comuns produzidos a partir da Sagrantino são exemplares robustos e secos com grande qualidade devido ao investimento em novas técnicas de enologia bem como na redução da produção.

A uva Sagrantino está presente nesses complexos varietais, que inclusive são reconhecidos dentro do seleto grupo de vinhos que ostentam o rótulo de Denominação de Origem Controlada e Garantida (DOCG). Mas também é utilizada em cortes, com Sangiovese, Cabernet Sauvignon e Merlot , nos vinhos denominados Montefalco Rosso (DOC).  Alguns Sagrantinos de Montefalco são vinhos que “devem ser bebidos com, pelo menos, 10 anos de garrafa. Segundo a lei da denominação, o Sagrantino de Montefalco deve passar três anos refinando ou maturando, dos quais ao menos um deve ser em madeira, os botti ou barricas francesas que muitos produtores estão usando para acalmar a adstringência de seus vinhos.

O Sagrantino de Montefalco Pozzo del Curato é um vinho que estagia 36 meses em barricas de carvalho francês e refina, no mínimo, por mais 12 meses em garrafas antes de seguir ao mercado. Este vinho possui uma cor intensa vermelha rubi intensa e densa com reflexos de granada. Possui aromas de frutas negras (amora, ameixa), chocolate, tabaco, ervas, notas de especiarias (pimenta preta) e baunilha, harmonioso e com uma estrutura marcante. Um Vinhaço, Muito Premiado, para “Beber de Joelhos”!

Aproveite esse vinho com grande corpo, aromas, sabores e potência! “Se você não gosta dos taninos, é melhor não se meter com o Sagrantino”.

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br

VINHO AMARONE DELLA VALPOLICELLA – DESCOBRINDO A ITÁLIA!

AMARONE DELLA VALPOLICELLA - DESCOBRINDO A ITÁLIA!

Valpolicella:

Esse maravilhoso vinho vem do nordeste da Itália, a zona vitivinícola de Valpolicella, cujo nome pode significar “Vale de muitas Cantinas” ou “Vale das Cantinas.

Os vinhos de Valpolicella são produzidos com uma quantidade considerável da uva mais ilustre da região, a Corvina (de 40 a 70%), com Molinara (5 a 25%) e Rondinella (20 a 40%). Algumas outras uvas nativas também podem ser usadas, como Barbera e Sangiovese, desde que não ultrapassem, juntas, 15% do corte total do vinho. Para ser considerado Classico, todas as uvas utilizadas devem ser de vinhedos localizados em uma restrita área que compreende a região original de Valpolicella.

OBS: Em alguns anos, alguns cachos podem ser afetados pela Botrytis cinerea, também conhecida como podridão nobre (a mesma que ocorre em Tokaj), que dá ao vinho mais complexidade e intensidade de aromas.

Processo de Produção de Amarone dela Valpolicella:

As uvas são colhidas no início de outubro e deixadas em um processo de secagem ao vento, conhecido na Itália por appassimento, até o próximo mês de janeiro.

Neste processo, a uva concentra açucares, aromas e sabores. Diminui muito o volume líquido e aumenta o contato da casca da uva com o seu mosto. Uma vez que a casca oferece ao mosto (e ao vinho, por consequência) cor e taninos, a qualidade da casca é determinante no processo de seleção das uvas que serão utilizadas. Após um período de aproximadamente 120 dias (que pode variar conforme o produtor, a safra e a qualidade desejada do vinho), o processo de vinificação se inicia com o esmagamento das uvas e o início da fermentação. Como a concentração de açucares está bastante elevada, este processo costuma demorar mais do que o normal para outros vinhos, durando, muitas vezes, até 50 dias (ou mais) para alcançar o ponto desejado.

Os Amarones refinam por, no mínimo, 12 meses envelhecimento em grandes barris ou barricas de carvalho (a depender do estilo adotado pelo produtor), podendo chegar até a 48 meses. Depois, descansam por, no mínimo, um ano nas garrafas antes de serem comercializados. Resumindo, não espere encontrar Amarones baratos! Infelizmente, o fator preço faz com que produtores do Vêneto comprem fazendas na Puglia e transportem Primitivos do Manduria para suas cantinas engarrafando-os como Amarones della Valpolicella. Cuidado!

Vamos contar um pouco sobre a lenda do Vinho Amarone della Valpolicella:

Em meados dos anos 1950, nada havia de Amarone na região. Àquela altura, reinavam os desejados Reciotos della Valpolicella, um tipo suculento de vinho de sobremesa tinto, elaborados a partir de uvas semi-passificadas onde as uvas ficam secando em “camas” de bambu.

Reza a lenda que numa determinada cantina, lá pelos anos 1950, alguém esqueceu um dos barris. Ao verificar, constataram o óbvio: todo o açúcar havia sido transformado em álcool no processo de fermentação. Com isso, o vinho possuía então maior teor alcoólico (os Amarones passam fácil dos 15% – muitas vezes até dos 16%), tinha paladar seco, com notas levemente amargas (amaro, em italiano, significa amargo), porém muito rico em aromas e sabores.

Amarone dela Valpolicella Corte Dei Castaldi Poggi:

O vinho Amarone della Valpolicella Corte Dei Castaldi Poggi apresenta uma Belíssima e Intensa cor granada, aromas estruturados, intensos e persistentes de frutos vermelhos, tabaco, especiarias secas e chocolate. Em boca é encorpado mas aveludado com notas de cereja, amêndoas e leve amargor. Vinhaço! Pode ultrapassar com muita facilidade 18 anos de conservação. É uma excelente opção para acompanhar pratos de carne e queijos curados, mas também é considerado um “vino da meditare”.

Aproveite a dica, medite e desfrute o prazer de tomar um Excelente Amarone!

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br

DESCOBRINDO A ITÁLIA – UVA BARBERA

DESCOBRINDO A ITÁLIA - UVA BARBERANativa do Piemonte, no noroeste da Itália, a Barbera é a uva mais plantada na região. Apesar de o Piemonte ser famoso pelos vinhos tânicos produzidos com a uva Nebbiolo (Barolo e Barbaresco), a casta Barbera aparece como uma das melhores uvas da Itália (a segunda mais plantada depois da uva Sangiovese). É conhecida como a Rainha do Langhe.

A Barbera empresta seu nome para duas das 58 denominações de origem do Piemonte: Barbera d’Asti e Barbera d’Alba. O vinho de Asti tende a ser mais frutado com um pouco menos de estrutura a não ser que tenha passagem por carvalho e, dessa forma, obtendo excelentes vinhos. Já o vinho de Alba reflete a proximidade geográfica com a produção de Nebbiolo, com um resultado mais concentrado e estruturado e muito mais beneficiado pela passagem por barris de carvalho originando vinhos escuros e frutados, com alta acidez e concentração e boa capacidade de envelhecimento.

Comum também em outras regiões da Itália, como Emilia-Romagna, Puglia, Campania, Sicília e Sardenha, a Barbera acompanhou os emigrantes italianos em suas viagens para outros países e foi uma das primeiras uvas cultivadas pelos italianos no Brasil.

Os melhores Barbera, no entanto, tendem a ser de vinhas bem podadas e com cachos de uva menores, com sabores mais concentrados.

A Barbera é muito utilizada em vinhos de cortes, principalmente com Sangiovese ou com Nebbiolo. Mas também é vista em vinhos varietais (cada vez mais comuns na Itália, junto com um crescente movimento de rotulagem do nome da uva). Naturalmente rica em acidez, um dos sabores típicos mais encontrados nos leves vinhos da uva Barbera é de cereja. Quando cultivada em climas mais quentes, como na Califórnia, também destacam-se notas de ameixa.

A Barbera produz vinhos de cor profunda e podem ser bebidos quando jovens ou, aqueles mais bem elaborados com passagem por carvalho, aos 5, 10 ou 15 anos após o engarrafamento, por exemplo.

O Barbera D´Alba Donna Luciana Moscone é elaborado com uvas Barbera cultivadas em vinhedos localizados em Monforte d’Alba. Altitude – cerca de  450-480 metros acima do nível do mar, este vinho, após, a fermentação maloláctica refinado em grandes botes entre 9 – 12 meses e, em seguida, ao menos 12 meses nas garrafas. Graças a uma excelente exposição, baixos rendimentos, cuidadosa seleção e colheita em conformidade com a maturação completa, somos capazes de obter uvas de excelente qualidade. 

É muito verátil e pode harmonizar com ovos frescos e massas preparadas com molhos intensos, típicos de Piemonte-style com carnes cozidas, anchovas com molho salsa e queijos curados.

Não percam a oportunidade e Degustem um vinho Barbera!

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br

Madonna Del Piano Riserva 2012 Valdicava – mais uma vez entre os TOP Three Brunellos di Montalcino

VALDICAVA 1

Como James relatou anteriormente, a safra de Brunellos di Montalcino Riservas 2012 com melhor pontuação,  pode ter sido uma das primeiras safras, em muito tempo, quando a designação Riserva realmente contou. Depois de provar cerca de 70 Brunello di Montalcino Riservas, da safra 2012, ele classificou 16 vinhos com mais de 95 pontos. O Madonna Del Piano Riserva 2012 Valdicava, está dentre os três vinhos que ele achou mais empolgantes e agradáveis ​​de provar (todos com 98 pontos).

madonna del piano

Um vermelho complexo com pétalas de rosa, violetas, mineral e cerejas segue até um corpo cheio e taninos mastigáveis ​​que estão equilibrados e refinados. Extremamente longo e intenso. Um Vinho TOP para esta Safra. Recomenda-se de três a quatro anos, talvez mais, para beber. 98 pontos.

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br

DESCOBRINDO A ITÁLIA – VINHO BARDOLINO

BLOG VINES - VINHO BARDOLINO

Bardolino é uma cidade italiana da região do Vêneto que é uma uma planície de solo muito fértil, província de Verona. A região de Veneto, localizada no nordeste da Itália, é a terra natal de algumas das mais conhecidas denominações italianas, como Valpolicella, Bardolino, Prosecco e, lógico, do famoso vinho Amarone dela Valpolicella. Os vinhos da denominação de origem Bardolino são produzidos na própria cidade de Bardolino, e em 15 cidades ao seu redor, próximas ao Lago di Garda. A região é, simplesmente, linda.

As três principais uvas utilizadas para produzir os vinhos Bardolino são Rondinella, Corvina e Molinara, as mesmas do vinho Valpolicella, mas que, em diferentes proporções, produzem vinhos totalmente diferentes; Bardolinos são mais leves e mais frutados. Também são admitidas outras cepas, no Bardolino, como Rossignola, Barbera, Sangiovese e Garganega, desde que, somadas, não ultrapassem 15% do corte.

A denominação de origem controlada Bardolino abrange os seguintes vinhos:

  • Bardolino Classico

Com uma cor rubi brilhante e delicadamente frutado.

  • Bardolino Chiaretto

Essa é a versão rosé do Bardolino, com cor que varia de cereja brilhante a pêssego.

  • Bardolino Chiaretto Espumante

Com borbulhas finas e persistentes, aromas delicados e sabor frutado e ligeiramente amargo, esse espumante rosé costuma ser produzido em versões mais secas.

  • Bardolino Novello

Com cor tipicamente rubi, é um vinho seco de aroma intensamente frutado, engarrafado logo após a colheita, em um estilo semelhante ao francês Beaujolais Nouveau, deve ser consumido muito jovem.

O Bardolino Classico, todas as uvas utilizadas devem ser de vinhedos localizados em uma restrita área que compreende a região clássica, ou original, de Bardolino. O Bardolino Superiore DOCG  deve ser envelhecido, pelo menos, por um ano, e deve apresentar um teor alcóolico mais elevado.

O Bardolino Rocca Bastia é um vinho leve, frutado que apresenta aroma de cereja, morango, framboesa, groselha e especiarias, como canela, cravo e leves notas de pimenta preta. Na boca é um vinho seco, refrescante e aveludado que harmoniza muito bem com peixes de água doce e de água salgada, com todas as massas e risotos da culinária italiana.

O estilo leve e frutado do Bardolino faz desse um dos vinhos mais famosos e mais consumidos da Itália. Deguste e não se arrependerá! Vale a pena!

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br

DESCOBRINDO A ITÁLIA – UVA GRILLO

DESCOBRINDO A ITÁLIA- UVA GRILLO

A uva Grillo é um cruzamento natural entre Catarrato Bianco e Muscat de Alexandria ( ou Zibibbo). Na Roma Antiga era utilizada para elaborar um vinho siciliano chamado Mamertino, que era o preferido, inclusive, do poderoso Júlio César. A cepa Grillo desempenha um importante papel em muitos vinhos da Sicília, principalmente no mais famoso deles, o fortificado Marsala. Essa uva possui altos níveis de açúcar, com capacidade de naturalmente produzir vinhos de alto teor alcoólico, chegando até 18°. Pode perfeitamente bem produzir vinhos leves e fáceis de beber, com resultados semelhantes, por exemplo, à Pinot Grigio. A depender do produtor, também podem ser produzidos vinhos brancos intensos com grande personalidade. Ou pode simplesmente encantar em vinhos de colheita tardia, que apresentam uma cor dourada que evolui para âmbar, com o passar do tempo.

Introduzida na Sicília no final do século XIX para substituir videiras atacadas pela filoxera, ela está chamando a atenção de muitos produtores sicilianos. Atualmente, os bons produtores conseguem controlar as principais características da Grillo, dando origem a vinhos com aromas agradáveis e frutados, num estilo que agrada a diferentes paladares, recebendo altas notas e excelentes críticas. O fato é que a Grillo é uma cepa perfeitamente adequada ao clima siciliano, quente e seco.

Na imagem, temos o vinho branco Grillo Tola que é produzido no Norte da Sicília.  É elaborado na propriedade de Bosco Falconeria localizada entre Palermo e Trapani  onde os ventos quentes de Scirocco e a leve brisa do mar deixam lugar para as doces e ensolaradas colinas que ajudam a produzir as melhores uvas para este vinho. Depois de um atento processo de vinificação, obtemos um vinho jovem, mineral, elegante com fortes aromas de citrinos que incluem maçã e limão siciliano, pêssego e acidez bem refrescante. Simplesmente, Delicioso!

Conheça esse vinho camaleão elaborado com a uva Grillo.

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br

DESCOBRINDO A ITÁLIA – CHIANTI CLASSICO GRAN SELEZIONE


DESCOBRINDO A ITÁLIA - CHIANTI GRAN SELEZIONEA Gran Selezione (Grande Seleção) é uma nova classificação acima da Riserva, feita com uvas colhidas apenas dos vinhedos da própria vinícola, com requisitos atualizados de álcool, extrato e envelhecimento.

A nova categoria foi aprovada pela Comissão Europeia no início de fevereiro de 2014. Isso significa que quaisquer vinhos cultivados em propriedades que tenham envelhecido por pelo menos 30 meses e atendam aos novos padrões técnicos mínimos podem agora ser vendidos como Chianti Classico Gran Selezione. A Nova Classificação está disponível a partir da safra 2010 – vinhos que já ultrapassam os 30 meses de envelhecimento. Em outras palavras, os vinhos de 2010 Gran Selezione podem ser liberados imediatamente. Essa nova categoria top e exigente para os seus vinhos que desejam colocar o nome no rótulo, mais ainda que o Riserva. A ideia é que os vinhos na classificação Gran Selezione Chianti Classico sejam tão prestigiados quanto um Brunello di Montalcino e o Barolo, e ocupem o espaço dentre os melhores vinhos italianos. O Consorzio estima que apenas 8 ou 9% da produção de Chianti Classico DOCG são qualificadas para o nível de Gran Selezione.

Para as 3 categorias (Chianti Classico, Chianti Classico Riserva e Chianti Classico Gran Selezione), a região, o corte das uvas, o rendimento e a não-obrigatoriedade de estágio em carvalho são rigorosamente as mesmas. De novidade, aumentou a exigência do teor alcoólico de 12,5% para 13%, o refinamento aumentou de 24 para 30 meses e o extrato mínimo aumentou apenas 1 g/l.

Uma das mais significativas mudanças, no entanto, está na obrigatoriedade de que as uvas sejam plantadas na propriedade, o que na verdade é uma surpresa que traz à luz o fato de que a categoria Riserva não tem essa exigência e suas uvas podem ser compradas de outros produtores.

A Sangiovese, que compõe principalmente o vinho Chianti Classico Gran Selezione no mínimo em 80% de sua composição, é uma uva muito sensível a fatores externos e tem a peculiaridade de interpretar perfeitamente as características de um solo e modificar seus aromas de acordo com o solo em que nasceu. Não é por acaso que é apenas em algumas áreas da Toscana que a Sangiovese consegue ter as suas melhores performances. O Chianti Classico tem, portanto, o bouquet floral de íris e mammola , apenas do solo de arenito desta área, que é o elemento organoléptico característico, com o aroma de frutos silvestres provenientes do componente calcário.

O Chianti Classico Gran Selezione Poggio Al Mandorli  apresenta uma cor Vermelha rubi intensa e densa com aromas complexos e elegantes com notas de frutas maduras e violetas, tabaco, chocolate ao leite, especiarias (pimenta-preta, canela), terra e trufa. Na boca é carnoso mas bem equilibrado na boca e com excelente acidez (bem refrescante) particularmente adequado também como vinho de meditação. Final de boca largo recordando ameixa e café. Simplesmente, Maravilhoso!

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948

Loja Virtual: http://www.vines.com.br

DESCOBRINDO A ITÁLIA – UVA SUSUMANIELLO

BLOG VINES - UVA SUSUMANIELLO

Uma uva rara da Puglia  que é o “salto da bota” como apresentado no mapa. A mesma é cultivada praticamente apenas nos arredores da comuna Salice Salentino e na província de Brindisi. Sobre sua origem, dizem que é um cruzamento da Garganega com uma uva de mesa da região, outros dizem que é uma parente da sangiovese, outros mais dizem que ela tem origem grega e por aí vai…

E por que se chama Susumaniello? Dizem que Susumaniello é derivado de Somaro, ou Somarello, que significa burro, ou mula, em italiano, que era o animal que carregava a colheita da uva, no passado. O nome também seria uma referência ao alto rendimento dessa variedade, como se fosse um “burro de carga”. A palavra Somarello também é considerada um sinônimo para o nome da uva.  Seu cacho é bem compacto, de tamanho médio. Os bagos não são muito grandes, e sua pele é moderadamente grossa e bem azulada.

Como dito anteriormente, a uva Susumaniello é encontrada apenas na região italiana da Puglia. Até recentemente, a variedade caiu em desuso com os viticultores; no entanto, desde 6 de setembro de 2003, foi incluído na lista de variedades aprovadas pela região da Puglia para cultivo na área central de Murgia. Geralmente, é usada para fazer blends de uvas na produção de vinhos tintos e rosés, como os Brindisi e Brindisi Rosato, baseados em Negroamaro, e Malvasia Nera.

Como é este vinho? O Settebraccia é um vinho composto de Susumaniello e Negroamaro. Bastante premiado com atuais 95 Pontos Luca Maroni 2018 (um dos vários prêmios recebidos), este vinho apresenta uma cor intensa e densa, aromas de frutas vermelhas maduras, geleias, especiarias, tabaco, chocolate amargo, baunilha e notas balsâmicas!  Na boca é delicioso, divino! Um Vinhaço!

Harmoniza bem com carne de cordeiro, queijos muito curados e pratos condimentados.

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948

Loja Virtual: http://www.vines.com.br

DEGUSTAÇÃO DE VINHOS EM PROL DA CASA TRANSITÓRIA ANDRÉ LUIZ

EVENTO EM SOROCABAA Vines – Vinhos de Qualidade estará presente na Degustação de Vinhos e Queijos em Prol da Casa Transitória André Luiz em Sorocaba. O Evento ocorrerá dia 26 de maio às 18:00. Contamos com sua presença neste Evento Beneficente em prol da mesma. Maiores Detalhes pelo e-mail: diretoria@casatransitoriaandreluiz.org.br ou tel: (15) 3221 1321.

Será um prazer receber seu contato pelo Fale Conosco, pelo telefone (11) 4419 3952, email: contato@vines.com.br ou WhatsApp: (11) 97310 0948
Loja Virtual: http://www.vines.com.br